Mensagem do Presidente – abril de 2019

O mês de Abril é dedicado por Rotary International à Saúde Materno – Infantil em Rotary tema muito bem desenvolvido pelo nosso Presidente Barry Rassin. Para não cair na tentação de me tornar repetitivo irei abordar o tema em Portugal.

Citando Paula Cristina Almeida Remoaldo diremos:

Depois de Portugal ter revelado uma espectacular descida, principalmente desde os anos setenta do século XX, dos índices sanitários mais representativos do estado de saúde da sua população e do seu grau de desenvolvimento socioeconómico, com particular destaque para a Taxa de Mortalidade Infantil, novos desafios se equacionam nos primórdios do século XXI. Na realidade, actualmente Portugal apresenta já uma das mais baixas Taxas de Mortalidade Infantil e de Mortalidade Materna à escala mundial e possui capacidade para continuar a diminui-la”.

De acordo com os últimos dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística Portugal evidenciava, em 2002, uma Taxa de Mortalidade Infantil de 5,1% valor que em 1960 era de 77,5% constituindo o “score” mais elevado do grupo de quinze países.

Dados mais recentes publicados pelo Instituto Nacional de Estatística dão para 2017 os seguintes valores: Taxa de Mortalidade Infantil de 2,70, Taxa de Mortalidade Perinatal de 3,70 e Taxa de Mortalidade Neonatal de 2,3 e Taxa de Mortalidade Fetal Tardia de 2,50. Estas taxas sempre calculadas por cada 1 000 nados vivos.

O International Business Times, órgão de comunicação norte-americano no segmento do jornalismo económico, coloca Portugal entre os cinco melhores países, do mundo, na prestação de cuidados de saúde.

No artigo, assinado por Elana Glowatz e publicado no passado dia 15 de Março de 2017, salienta-se, em relação a Portugal, que este atingiu, em cerca de cinquenta anos, uma das mais baixas taxas de mortalidade infantil do mundo. Esta foi de apenas 2,92/1 000 nados vivos em 2015, contra 85/1 000 nados vivos em 1960.

A jornalista considera, como critérios diferenciadores, a prevenção e a erradicação de doenças, a vacinação e a prestação de apoio psicológico.

Entre os países distinguidos, figuram, também, Canadá, Luxemburgo, Coreia do Sul e Alemanha.

Não conseguimos apurar dados das NUTS razão pela qual não as referimos.